Correspondente Kipling

Distopias: 5 livros que você não pode deixar de ler

20 de março de 2014

Vou tentar fazer um paralelo entre Harry Potter e literatura distópica juvenil, espero não ter ficado louca. Mas se eu for tudo bem, vocês já ficam sabendo desde já.

Mas antes de qualquer coisa,  o que é uma distopia, afinal? Resumindo, é o contrário de utopia. Ou seja, uma sociedade (que não existe) controlada por meios extremos de opressão, como por exemplo um Estado totalitário. Em geral, histórias distópicas usam como base elementos da realidade atual e isso que nos gera uma certa identificação, frio na espinha. Lembrou de Jogos Vorazes? É bem isso.

Pois bem, voltando ao paralelo que falei ali em cima. Harry Potter foi a iniciação no mundo da leitura para incontáveis jovens que nunca gostaram de ler ou que perderam o gosto por livros desde a infância. Eu me incluo nessa, apesar de não tããããão jovem, só um pouquinho.

Enfim,tenho a impressão que o livro que inicia na literatura é o mesmo que vai formar nossa personalidade quanto leitores. Ou seja, nossos gostos, preferências, autores prediletos e o livro da nossa vida, por exemplo.

Por conta desta “teoria do livro iniciador”, acredito piamente que a fantasia de Harry Potter nos abriu a cabeça para mundos diferentes e paralelos. E daí entram as distopias, que mesmo muito diferentes da fantasia, tem a premissa de distância da realidade.

A grande ironia da distopia é a sua proximidade com os conflitos sociais reais, as relações de poder, governos totalitários e a revolução do povo. A nossa geração é carregada de imaginação e ideologias, uma combinação perfeita com este tipo de literatura que vem tomando as prateleiras das livrarias pelo mundo.

Há os que digam que este sucesso das distopias vem dos jovens sentirem necessidade de mergulhar num universo totalitarista já que na realidade são tão livres, outros afirmam que os adolescentes se descobriram céticos e não acreditam em finais felizes. Bom, eu ainda acho que é tudo culpa do Harry Potter e da teoria do livro iniciador.

Mas apesar desta introdução, a intenção deste post é listar os livros distópicos que você não pode deixar de ler, desde os mais recentes até os mais clássicos.

Interessou? Bora comigo.

livros-distopias

1. Trilogia Jogos Vorazes

Me parece óbvio e natural começar falando da saga da Katniss. A história que todo mundo já conhece fala de um governo totalitarista, uma população parte cega em sua ignorância confortável, parte bomba relógio, só esperando o momento certo pra iniciar a revolução. Este livro tem um impacto enorme na nossa cultura, com uma adaptação pro cinema tão bombástica que foi responsável pela ascenção da J. Law, atriz que virou um grande símbolo de #girlpower dos nossos tempos.

2. Saga: Feios, Perfeitos, Especiais e Extras

“Feios” é o primeiro livro desta saga e também uma das primeiras distopias da “nova geração” a chegar às prateleiras das livrarias, por isso merece muito destaque. Fez um baita sucesso (continua fazendo) e conta a história da Tally, uma garota que vive numa sociedade onde todas as pessoas com 16 anos passam por uma plástica para ficarem perfeitos. Antes da plástica todos são considerados feios e ficam isolados em alojamentos longe da realidade perfeita almejada por todo mundo. O problema é que Tally começa a descobrir vários segredos da sociedade após 16 anos.

Instigante, tá na minha mesa de cabeceira esperando um lugar na fila. Vou arranjar muito em breve.

3. Admirável Mundo Novo

Um dos primeiros títulos distópicos de todos os tempos, foi lançado em 1932 e escrito por Aldous Huxley. A história se passa numa sociedade do futuro, organizada por castas, onde as pessoas são condicionadas genéticamente e psicologicamente a viverem em harmonia com as leis e regras pré estabelecidas. Obviamente ninguém pode sair da linha.

Me parece uma obra prima e eu só vou ler quando já tiver lido muitos outros títulos distópicos. Tenho medo de achar tão incrível que, ao ler, todos os outros pareçam bobos.

4. 1984

George Orwell é um dos autoress mais famosos de todos os tempos e este livro, publicado em 1949, é obrigatório para conhecer o gênero. Já falamos sobre ele no nosso último fanzine do GWS e neste post lá do blog sobre a trajetória de uma nerd aprendiz.  1984 foi meu primeiro contato com a ditadura do “Grande Irmão” e mudou a minha forma de ver o mundo, nossas atitudes e ambições.

5. Jogo do Exterminador

Já falei dele neste mesmo post que citei acima. Eu pago um pau absurdo pra este livro, acho que é um dos mais sensacionais de todos os tempos. Escrito na década de 70, virou filme no ano passado, que apesar de legal, não faz juz nem de perto ao livro. Nesta história, Ender é só um garoto, mas que carrega nas costas a responsabilidade de ser um futuro comandante numa guerra contra alienígenas. A história conta com jogos políticos muito similares à nossa realidade atual, um pano de fundo futurista, mas um conflito colonialista já velho conhecido da nossa raça humana. E o final é surpreendente. Leiam!

Queria citar também mais cinco outros títulos que tenho pouca propriedade pra falar, mas acho que valem a mesma atenção: “Jogador nº 1”, “Divergente”, “Fahrenheit 451”, “Neuromancer” e “Laranja Mecânica”. Quem sabe um dia consigo ler todos estes.

E vocês, gostam de distopias? Já leram alguma destas?
Quais mais acham que vale a pena indicar? Vamos conversar nos comentários!

 

Carol

A Carol é II Correspondente Kipling do Sudeste e vai trazer posts incríveis para o blog oficial da Kipling. Junto a Nuta e Marie, ela comanda o Girls with Style e acredita no amor-próprio, em ser você mesma e no girl power!
Divertida, descolada e cheia de atitude, Carol adora escrever, usar palavras que ninguém usa e escutar sua banda preferida: os Hanson! 

Siga a Carol no Instagram e curta o GWS no Facebook para acompanhar todas as novidades (:

Carol Guido

A Carol foi Correspondente Kipling pelo blog GWS na segunda edição e agora, que está morando em Londres, virou nossa correspondente internacional! Espontânea, criativa e cheia de girl power, ela trabalha com o que mais ama fazer: criar conteúdo para a internet. Tem planos de viajar o mundo, documentar tudo e não parar nunca. Só se for pra ler um livro.

Saiba mais em: Blog, Instagram.


Comente!

            

  • rodrigo
    21 de março de 2014 às 7:32

    outra boa, mas não tão conhecida, é O Homem do Castelo Alto, do Philip K. Dick, o cara que escreveu livros em que se basearam filmes como Blade Runner, O Vingador do Futuro, O Pagamento e Minority Report.

    • Carol Guido
      21 de março de 2014 às 14:49

      Nossa, Rodrigo, deve ser ótimo! Vou procurar pra ler. Valeu pela dica! ;)